CII

Comitê de Imprensa Internacional

“Como cidadãos globais, não devemos possuir apenas a ótica do captador-emissor, mas a do receptor consciente do importante papel que a comunicação detém na sociedade e, por consequente, na política internacional.”.Com efeito, a realidade do alcance das notícias está mudando com a globalização, uma vez que ela não mais se encontra subscrita a regionalismos, adentrando o alcance mundial. A atividade jornalística se volta cada vez mais para sua vocação internacional visando atingir públicos em várias partes do mundo.  O futuro do jornalismo é ser cada vez mais global e digital[1].O fluxo de informações em tempo real força as relações globais a tomar um novo patamar de ação, sendo responsável pela construção de sistemas de respostas instantâneos a crises e eventos internacionais relevantes. A notícia se torna ferramenta ou fonte, a depender de cada caso, e essa situação exige do transmissor uma maior atenção ao contexto, bem como uma preocupação com sua própria segurança, por muitas vezes.

Todavia, como quase todos os veículos acessam as mesmas notícias distribuídas pela rede, temos como consequência o fenômeno da circularidade da informação. A imensidão de inovações tecnológicas levou a prática do jornalismo a um panorama cuja singular saída é a criatividade do jornalista, para se diferenciar da grande divulgação de notícias semelhantes. E nesse sentido, diz-se que alguns pontos do jornalismo clássico estão convalescendo devido às novas tecnologias e permitindo que a criatividade seja utilizada para a criação de um novo fazer jornalístico[2].

Realmente, o fazer jornalístico se transformou no século XXI – sobretudo nos últimos anos, com o avanço tecnológico dos smartphones; até os meios audiovisuais sentiram essas transformações. De fato, se realizarmos uma apreciação sobre as transformações provocadas pela internet perceberemos que, de certa forma, ela amparou verdadeiramente o exercício jornalístico. Além de facilitar o acesso às informações, o contato com fontes e a pesquisa e a apuração de fatos, também ampliou o alcance e a possibilidade de distribuição da informação jornalística.

Entretanto, você nunca vai conseguir a experiência de imergir no mundo do jornalismo internacional a não ser que seja um correspondente estrangeiro ou um enviado especial ao exterior – experiência que a SOI poderá te proporcionar! Para isso, em 2017 o CII simulará três veículos de comunicação, sendo um jornal impresso (The Telegraph), um canal audiovisual (NBC) e um jornal tabloide para Mídias Sociais (Bild).

Nessa perspectiva, conheça um pouco sobre cada plataforma jornalística simulada pelos delegados da imprensa nessa edição da SOI:

The Daily Telegraph (@Telegraph)
The Daily Telegraph (conhecido simplesmente como The Telegraph) é um jornal britânico publicado em Londres pelo Telegraph Media Group e distribuído no Reino Unido e em outros países do mundo. Foi fundado por Arthur B. Sleigh em 1855 como The Daily Telegraph and Courier.

O Telegraph é tradicionalmente visto como um jornal de direita no aspecto político. A combinação das ligações pessoais entre a equipe editorial do jornal e as lideranças do Partido Conservador, juntamente com a influência do jornal sobre os ativistas conservadoras, resultaram com que o jornal seja frequentemente referido pejorativamente como The Torygraph.

NBC (@nbc)
A National Broadcasting Company é a rede de radiodifusão mais antiga dos Estados Unidos. Fundada por David Sarnoff em 1926, foi uma das primeiras a transmitir imagens pela televisão e começou, na década de 30, a transmitir experimentalmente a partir da visão panorâmica do Empire State Building. A rede é a principal propriedade da NBCUniversal, que pertence à Comcast.

A NBC começou a transmitir regularmente em 1939 e em 1953 foi a pioneira em transmissões coloridas. No entanto, foi no ano de 1959 que a emissora transmitiu a primeira série com imagens em cores. O pioneirismo e inovação da emissora se intensificaram ao longo dos anos e hoje a NBC é uma das mais importantes e respeitadas redes televisivas mundiais. A emissora prega valores como diversidade, inclusão e inovação.

Apesar de investir fortemente em entretenimento, a NBC também é uma das emissores mais fortes na área noticiosa e líder em suas plataformas de transmissão. Entre suas principais transmissões estão NBC Nightly News com Lester Holt, TODAY, Meet the Press and Dateline.

Bild (@BILD)
O Bild (ou Bild-Zeitung, o “jornal imagem”, traduzido) é um tabloide alemão fundado em 1952, em Berlim. Publicado de segunda a sábado, é o jornal com maior vendagem na Europa e o maior não-asiático do mundo. Aos domingos, uma edição chamada “Bild am Sonntag” é publicada, com um estilo diferente e editores próprios para a versão dominical.

Voltado para os leitores com menor grau educacional, o Bild é um tabloide de centro-direita, cuja orientação jornalística vem levantando uma boa quantidade de atenção, no passado recente, por seu estilo agressivo de reportagem, agindo, por vezes, como um editorial. Por tal motivo, há uma crescente onda contrária ao tabloide, incluindo blogs, como o “Bildblog.de”, especializados em criticá-los.

Em 2006, Der Spiegel, uma revista de Hamburgo, escreveu que o Bild “voava logo abaixo o limite do absurdo dos tabloides americanos e britânicos” e que era “uma dose diária de pornografia leve em alta resolução”, em referência a grande quantidade de mulheres de topless em suas publicações.

Em julho de 2015, a União dos Jornalistas Alemães pediu oficialmente para que os editores do Bild parassem sua campanha midiática contra o resgate financeiro da Grécia. Na Alemanha, o tabloide virou referência de “imprensa marrom”, ou seja, por apelar ao sensacionalismo em suas publicações.

 

Links Úteis (em inglês):
Site da National Broadcasting Company (NBC): http://www.nbc.com
Site do The Telegraph: http://www.telegraph.co.uk
Canal do YouTube da NBC: https://www.youtube.com/user/NBCNews
REFERÊNCIAS
[1] NETZEL, Mateus. Editor acredita em crescimento do jornalismo internacional. 2013. Disponível em: <http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed768_editor_acredita_em_crescimento_do_ jornalismo_internacional>. Acesso em: 21 nov. 2015.
[2] FLIZIKOWSKI, Marcio. O desafio do jornalismo no século 21. Observatório da Imprensa: Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito. São Paulo, 25 maio 2004. Diretório Acadêmico, p. 1-1. Disponível em: <http://observatoriodaimprensa.com.br/diretorio-academico/o-desafio-do-jornalismo-no-seculo-21/>. Acesso em: 12 dez. 2015.
Diretores Acadêmicos
Caio dos Santos Andrade
Lizete Barbosa da Nóbrega
Renato Vasconcelos de Carvalho
Diretores Assistentes
Aura Mazda Alves Dutra
Eduardo Madruga e Souza
Lucas Rodrigues Félix
Marcelo Nogueira Moreno Filho
Marília Vivian de Moura Costa
Thaís Machado dos Santos
Vinícius Marques de Macedo
Tutora
Andreza Dantas de Araújo