COI

 Comitê Olímpico Internacional (COI)

O Comitê Olímpico Internacional (COI) é um organismo sem fins lucrativos responsável por regular matérias esportivas a nível mundial. Criado em 23 de junho de 1824 por Pierre de Coubertin, a organização é considerada a autoridade suprema do movimento olímpico atual. Dentro das matérias reguladas pelo Comitê estão a criação e modificação de leis sobre os Jogos Olímpicos, administração e organização das Olimpíadas e, em especial, a promoção de garantias individuais e coletivas dentro da comunidade esportiva internacional.[1]

Simulado pela primeira vez na SOI, o COI discutirá dois temas de extrema relevância no meio esportivo contemporâneo:

TÓPICO A: “A possibilidade de realização de manifestação política nos Jogos Olímpicos”.

Historicamente, os Jogos Olímpicos tinham a natureza de serem palco apenas dos eventos esportivos ali realizados. Assim, durante as Olimpíadas da Antiguidade, em tempos de guerra, era aplicada a chamada “trégua olímpica”, a qual representava um artifício utilizado para coibir pautas de natureza política ou bélica que tirassem o foco das competições esportivas. Em 1896, com a formação dos jogos Olímpicos da Era Moderna, o Comitê Olímpico Internacional (COI) seguiu essa tradição e previu no tópico 50 de sua Carta Olímpica a vedação de qualquer forma de manifestação política, religiosa ou racial nas instalações olímpicas, de modo que o esporte se constituísse o protagonista dos eventos.

No entanto, apesar das vedações impostas, diversas manifestações políticas ocorreram durante a realização do evento, como no caso das XI Olimpíadas (1936), realizadas em Berlim. Tal episódio foi marcado pela consagração do atleta e líder civil norte-americano Jesse Owens perante a tentativa nazista de mostrar para o mundo a superioridade racial ariana, sendo o primeiro indicativo de que o esporte e a política possuem intrínseca ligação.

A manifestação política no decorrer dos Jogos Olímpicos possui diversas facetas que podem ser abordadas em discussão, indo desde a visibilidade de uma causa ou de um país, chegando até mesmo ao precedente da discussão dos refugiados. Portanto, os Jogos Olímpicos, estão expostos ao que ocorre politicamente, sendo necessário colocar em debate os moldes com os quais eles poderão ser realizados sem afetar a lisura esportiva.

TÓPICO B: “Inclusão de atletas transexuais no esporte de alto rendimento”.

As pessoas transexuais enfrentam uma constante luta para a concretização dos seus direitos e o reconhecimento de sua identidade. No esporte, a batalha se torna mais latente, visto que essa esfera ainda é profundamente atravessada por discursos conservadores.

Ao redor do mundo, percebe-se um maior clamor social quando se trata da presença de mulheres trans nas práticas esportivas, tendo em vista que um dos principais argumentos levantados pelos contrários à inclusão dessas mulheres nas modalidades correspondentes ao gênero que elas se identificam consiste na suposta vantagem física que elas teriam em virtude da estrutura biotípica de um corpo biologicamente masculino. No Brasil, a título de exemplo, o caso da atleta Tiffany Abreu, que disputa a Superliga Feminina de Vôlei, ganhou destaque recentemente.[2]

Historicamente, a posição adotada pelo COI não favorece a inclusão de atletas trans em suas modalidades. Até os anos 2000, as atletas olímpicas eram submetidas a avaliações médicas da genitália. Contudo, a partir de 2015 [3], o COI adotou como critério a manutenção do nível de testosterona inferior a 10 nmol/L durante os 12 meses anteriores à estreia na competição esportiva e reconhecimento civil declarando-as como do gênero feminino.

Contudo, o aparente progresso na causa das pessoas trans no esporte esconde preconceitos seculares que, ainda hoje, minam a participação transexual nesse meio, gerando um problema de caráter global.

Filmes, Séries e Vídeos Relacionados:

  1. Race (2016), 2h03min, Direção: Stephen Hopkins. 

Sinopse disponível em: https://www.imdb.com/title/tt3499096/. Acesso em: dez. 2019. 

  1. Munique (2005), 2h44min, Direção: Steven Spielberg. 

Sinopse disponível em: https://www.imdb.com/title/tt0408306/. Acesso em: dez. 2019. 

  1. Changing the Game (2019), 1hr28min, Diretor: Michael Barnett.

Sinopse disponível em: https://www.imdb.com/title/tt10011320/. Acesso em: dez. 2019.

  1. Identify (2019), Realização: Olympic Channel. 

Documentário disponível em: https://www.olympicchannel.com/en/original-series/detail/identify/. Acesso em: dez. de 2019.

Livros e Artigos Relacionados:

1. BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017. Tradução de Renato Aguiar.

Sinopse disponível em: https://www.skoob.com.br/problemas-de-genero-89028ed528636.html. Acesso em: dez. 2019.

2. KANIN, David B.. A Political History Of The Olympic Games. New York: Routledge, 1981.

3. NERY, João W.. Viagem solitária: memórias de um transexual 30 anos depois. São Paulo: Leya, 2011.

Sinopse disponível em: https://www.skoob.com.br/livro/195012ED217864. Acesso em: dez. 2019.

4. SIGOLI1, Mário André; ROSE JUNIOR, Dante de. A história do uso político do esporte. Ponto de Vista, Brasília, v. 12, n. 2, p.111-119, jun. 2004.

Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/566/590. Acesso em: dez. 2019.

REFERÊNCIAS

[1] COMITÊ OLÍMPICO INTERNACIONAL (COI). Who we are. Disponível em: https://www.olympic.org/about-ioc-olympic-movement. Acesso em: dez. 2019.

[2] PRADO, Vagner Matias do; NOGUEIRA, Alessandra Lo Gullo A. Transexualidade e esporte: o caso Tiffany Abreu em “jogo”. Revista Eletrônica Interações Sociais (REIS), Rio Grande, v. 2, n. 1, p.60-72, 2018. 

[3] COMITÊ OLÍMPICO INTERNACIONAL (COI). IOC Consensus Meeting on Sex Reassignment and Hyperandrogenism. Disponível em: https://stillmed.olympic.org/Documents/Commissions_PDFfiles/Medical_commission/2015-11_ioc_consensus_meeting_on_sex_reassignment_and_hyperandrogenism-en.pdf. Acesso em: dez. 2019.

Diretora Acadêmica:

Khadja Vanessa Brito de Oliveira

Diretores Assistentes:

Felipe Câmara Fonseca

Júlio Miguel Vitor Neto

Juan Lucas de Oliveira Melo

Lucas José de Mello Lopes

Mateus Wesley Teixeira de Lima e Sousa

Victor da Silva Morais

Tutora:

Ana Cybelle Fernandes da Costa