CDSI

Comitê de Desarmamento e Segurança Internacional (CDSI)

O Comitê de Desarmamento e Segurança Internacional, CDSI, é o primeiro comitê da Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU), tendo sido reconhecido como órgão da AGNU em junho de 1978, na Primeira Sessão Especial destinada ao desarmamento.

Seu histórico, porém, data de 1946 quando foi instituída a Comissão de Energia Atômica, e, no ano seguinte, a Comissão para Armamentos Convencionais(1).As duas, unidas em 1952, passaram a constituir o Comitê de Desarmamento, ampliado para todos os membros das Nações Unidas em 1958(2).

O CDSI tem a missão de debater e fazer recomendações para os mais diversos temas que envolvem o desarmamento, a paz e a segurança internacional. Durante a Guerra Fria, sua agenda esteve muito voltada para as questões concernentes à corrida armamentista e a temida guerra nuclear(3). Atualmente, discute predominantemente assuntos relacionados a proliferação de armas, a questão das novas tecnologias, os conflitos armados, bem como as problemáticas de terrorismo e a relação entre armas e desenvolvimento.

Tema único: A violência como projétil: o armamento civil e seus impactos na sociedade global;

Levando em consideração o aumento substancial da violência na contemporaneidade, percebe-se que a sociedade vem cogitando possíveis formas de solucionar esse problema endêmico. De tal sorte que os cidadãos globais têm reivindicado seu direito a autotutela, através do porte/posse de armas, como uma resposta pragmática para seus anseios e uma eventual saída para a omissão estatal.

Neste sentido, vislumbram-se diversos desdobramentos tais como a própria influência da mídia na crescente sensação de insegurança vivida pela sociedade, a qual terá uma percepção diferenciada ante aos casos de violência nas mais diversas esferas. Aliado a isso, há ainda a participação da indústria bélica enquanto construtora de uma política armamentista, sobretudo em países pobres ou em conflitos civis, movimentando uma cifra elevada que é revertida não só para a iniciativa privada, mas também para governos de distintas nações. Por fim, é válido destacar como esses e tantos outros fatores combinados constituem o que se pode chamar de “cultura do armamento”(4), esta, ao passo que é vista como a solução para alguns, é mola propulsora para os cada vez mais recorrentes casos de terrorismo, atentados civis em escolas ou outras aglomerações populares que ocorrem em vários países pelo mundo.

Desta feita, o comitê se propõe a discutir a temática do armamento civil, diante da realidade de insegurança pública internacional e os impactos desta política nas nações. Ademais, vem refletir acerca dos desdobramentos e das possíveis soluções para a problemática, trazendo à tona a questão controversa do desarmamento.

Pegue suas coisas, venha ser parte da mudança que o mundo precisa. A Mini SOI está esperando por você!

Links úteis:

Site do Comitê:

http://www.un.org/en/ga/first/index.shtml

Escritório das Nações Unidas para Assuntos de Desarmamento (UNODA): https://www.un.org/disarmament/about/

Deputados debatem a revogação do Estatuto do Desarmamento: https://youtu.be/IJ54BS5sICI

Armas de fogo: Proteção ou Risco? Guia Prático – 100 perguntas e respostas.

http://www.soudapaz.org/upload/pdf/armas_de_fogo_protecao_ou_risco.pdf

Evan:
https://www.youtube.com/watch?v=Xn4GIknwArc

Dicas de Filmes, Séries e Documentários:

Tiros em Columbine (2002) – Documentário:

“Um inquérito sobre o estado da nação, a cultura do medo e a psicose das armas nos Estados Unidos. Porque é que morrem cerca de onze mil pessoas por ano no país por causa de armas de fogo é o mote deste documentário, construído a partir da tragédia do liceu de Columbine, em que dois adolescentes massacraram a tiro treze pessoas e depois se suicidaram. Moore pergunta-se como é que no Canadá, a comercialização de armas também é livre, e existem menos crimes com armas de fogo.” Fonte: Omelete. Disponível no Youtube.

Armas na Mesa (2016):

“Na trama, uma estrategista política de sucesso expõe o mundo de lobistas da capital dos EUA, dos dois lados do debate sobre controle de armas. Uma nova legislação que exige verificações mais rigorosas para posse de armas começa a ganhar força no Congresso americano e Sloane é chamada para liderar a campanha e acaba ficando frente a frente contra o formidável poder de seus oponentes políticos.” Fonte: Omelete.

Senhor das Armas (2005):

“Yuri (Nicolas Cage) conta que imigrou da Ucrânia para os Estados Unidos com seus pais. Um dia, em um restaurante, ele tem uma epifania: matar faz parte da natureza humana, como comer, e assim começa a lucrar com esta necessidade, vendendo armas ilegalmente.” Fonte: Omelete.

Cães de Guerra (2016):

“Baseado em fatos, o filme conta a história de dois jovens que exploram uma iniciativa pouco conhecida do governo americano, onde pequenas empresas podem participar de concursos militares. Eles acabam vencendo um desses concursos e recebem US$ 300 milhões para ajudarem a armar um exército afegão. Apesar da vida de excessos com o dinheiro, logo eles vão descobrir o lado obscuro do trabalho.” Fonte: Omelete.

Marvel – O Justiceiro (2017) – Série:

“Após o assassinato de sua família, Frank Castle é assombrado e perseguido. No submundo do crime, ele se tornará o Justiceiro.” Fonte: Omelete. Disponível na Netflix.


Dicas de Músicas:

Abaixe suas Armas (Rashid): https://www.letras.mus.br/rashid/abaixe-suas-armas/

Jeremy (Pearl Jam): https://www.letras.mus.br/pearl-jam/30324/

Guns for Hands (Twenty One Pilots): https://www.letras.mus.br/twenty-one-pilots/guns-for-hands/traducao.html

Diretoras Acadêmicas:

– Ana Cecília Rêgo de Queiroz

– Renata Gondim Alecrim

Diretores Assistentes:

– Ana Beatriz de Azevedo Gomes

– Beatriz Soares Pereira

– Clara Rocha de Sousa

– Lara Lemos Raulino de Souza

– Luís Felipe Nascimento Santos

Tutora:

– Bárbara Bruna Araújo Bezerra

 

Guia de Estudos:

Guia de Estudos – CDSI 2018

Guia Anexo:

Guia Anexo – CDSI 2018

REFERÊNCIAS

CIAS: Disponível em: <https://www.un.org/disarmament/convarms/att/>. Acesso em 01 nov 2017

Disponível em: <http://www.un.org/en/ga/first/index.shtml>. Acesso em 01 nov 2017

Disponível em: <http://www.un.org/press/en/content/first-committee>. Acesso em 01 nov 2017

Para COSTA “a violência é um artefato da cultura e não o seu artífice. Ela é uma particularidade do viver social, um tipo de negociação, que pelo emprego da força ou da agressividade visa a encontrar soluções para conflitos que não se deixam resolver pelo diálogo e pela cooperação”. [COSTA, Heloísa H. , A trama da violência na escola. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, 1993, (Dissertação de Mestrado).